Notícias
 
( 01/10/2018 ) Zonas de amortecimento agroflorestais protegem o Aquífero Guarani
 

Ameaçado principalmente pela agricultura e reflorestamento industriais, o Aquífero Guarani pode ser protegido por zonas de amortecimento agroflorestais, conforme demonstram os resultados do projeto Zonas Tampão Multi-Propósito na Bacia do Rio Santa Lucia, em Canelones, Uruguai. Executado pelo programa Agroecologia do Centro Uruguaio de Tecnologias Apropriadas(Ceuta) e finalizado em 24 de agosto de 2018, o projeto implementou ZAAs em áreas de potencial recarga direta e indireta do aquífero na Bacia, onde a intensificação da produção de madeira e commodities compromete a qualidade da água.

De acordo com o técnico do projeto Federico Bizzozero, além de reduzir a contaminação dos corpos de água, devido ao escorrimento de fertilizantes químicos, agrotóxicos e sedimentos, a proposta das zonas de amortecimento agroflorestais inclui estimular, nas famílias agricultoras, a percepção dos benefícios dessas zonas de amortecimento. Um bom exemplo é o agricultor Alexis Machin, que ao adotar práticas sugeridas pelo projeto, conseguiu rendimentos similares e até maiores dos que obtinha via manejo convencional. Com adubação verde e cobertura morta, o agricultor beneficiou a recém instalada cultura de alfafa e protegeu o solo de uma faixa de terra que descarrega diretamente a água num córrego.

Marcelo Areosa, gerente técnico de outro projeto do Graneco denominado Implementação de Experiências Agroecológicas na Bacia do Rio Santa Lucia, observou que, ao mudar o sistema de manejo, havia uma tendência para os produtores alcançarem, a curto prazo, uma melhora notável nas propriedades físicas do solo. "Estes princípios agroecológicos são aplicados à área "rio acima" das propriedades ZAAs, melhorando também a gestão integral do recurso do solo, produzindo ao mesmo tempo grãos e forragem", explicou o técnico.

Frutas nativas conferem mais resiliência às famílias agricultoras

Além das técnicas que beneficiam o solo, o projeto introduziu nas propriedades 40 goiabeiras- serranas, (Acca sellowianna) e 40 araçás-vermelhos e amarelos (Psidium catleianum). O potencial produtivo dessas árvores é estimado em 1,2 mil quilos de goiaba e 760 quilos de araçá. Esse potencial confere ao produtor uma proteção econômica e constitui uma fonte de frutas de qualidade para a família. Paralelamente à introdução das frutíferas, o Ceuta está trabalhando para promover a implantação de uma cadeia de valorização das frutas nativas, desenvolvendo produtos para ampliar e consolidar o mercado dessas frutas.

Projeto terá sequência nos locais demonstrativos

O engenheiro agroflorestal Gastón Carro, responsável pela comunicação do projeto, informou que partir de agora o trabalho com as zonas de amortecimento agroflorestais deve ser aprofundado, mediante a continuidade dos estudos nos locais demonstrativos já implementados, o desenvolvimento de mercados e certificação para produtos de ZAAs e material informativo para as populações-alvo. Atualmente o Centro Ecológico e o Ceuta estão produzindo um artigo científico sobre a experiência, , apresentando os conceitos, metodologias e abordagens que suportam as ZAAs, a fim de fundamentar que não apenas é possível, mas é necessário produzir de forma saudável, justa e rentável.

O Aquífero Guarani

  • Quinta maior reserva de água doce do planeta, um dos maiores reservatórios subterrâneos de água doce do mundo

  • Extensão de 1,19 milhões de km2 no Brasil, Uruguai, Paraguai e Argentina

  • 45 mil km2 em território uruguaio

  • 58.500 km² estão no Paraguai

  • 255.000 km² na Argentina

  • 840.000 km² estão no Brasil, que tem 2/3 da área total do Aquífero nos Estados de Goiás, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, São Paulo, Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul


  • Clique no título para ler em espanhol o material que deu origem a essa notícia:
    Las Zonas de Amortiguación Agroforestales como herramienta de gestión territorial

    E para para baixar o trabalho de Federico Bizzozero:
    Zonas de Amortiguación Agroforestales Diseños Agroecológicos para el Cuidado del Agua







       
     

    Cursos

    21/11
    Curso Princípios Básicos em Agricultura Ecológica


     

    Ipê-Serra - Rua Luiz Augusto Branco, 725 - Bairro Cruzeiro / Cep: 95.240-000 / Ipê - RS / Fone: 0xx (54) 3233.16.38 / E-mail: serra@centroecologico.org.br
    Litoral Norte - Rua Padre Jorge, 51 / Cep: 95.568-000 / Dom Pedro de Alcântara-RS / Fone/fax: 0xx (51) 3664.02.20 /E-mail:litoral@centroecologico.org.br